download-1305193

Para uma zine sobre horizontalidade

Recolhemos o testemunho de uma companheira no Jardim Luís Ferreira, onde ela acolhia os cinco minutos de Sol diário antes de regressar à cave subversiva. Optou-se por ilustrar este registo com uma fotografia antiga que tão gentilmente nos forneceu, é preferível do que ter pelas internets pontas secas e peles demasiado rubias inestéticas, disse-nos (mas esta situação é temporária, como uma zona autónoma, esclareceu). O companheiro que a acompanhava reservou declarações para enviar futuramente através de comunicações encriptadas. Recusou também ser fotografado, “a foto que eles têm agora é a melhor, mostra mesmo minha luz interior, deixa estar como está”, pedido que evidentemente se respeitará. Citamos então:

“Horizontalidade para mim, para nós, é tipo, imagina, não há autoridade, e gente má a gente dá-lhes o tratamento, a ideia é fazer isto no escuro, não há cá legalismos, quando temos gente kiki no espaço ficamos quietos até perceber se alinham nesta moral ou se têm a lata de trair a causa ao fazer sequer menção disto na internet ou assim, isso é chibanço, isso não vale. E além disso, não há cá o Estado a controlar, pelo que sabemos que se alguém reage com incómodo a estas cenas a gente pode expulsar, porque não queremos cá práticas abusivas, e também o que é que estão cá a fazer de qualquer maneira, a afinidade constrói-se e a minha já está feita, é com os meus companheiros que eu me sinto segura, e que é a Anarquia [risos] senão a segurança de cada uma? Eu nem sei para que te estás a dar ao trabalho com essa zine, a gente é que decide o que circula, vais fazer o quê sozinho, achas que alguém se acredita em teorias de complots? Não te dês ao trabalho, pior dos casos injectamos algum guito numa contra-publicação, e livro a sério mesmo, não é dessas zines baratas, e metemos o nosso cota M.R. [iniciais fictícias] a mandar umas bocas nas conferências da feira anarquista. Como disse o Foucault, não há verdade só poder, ou algo assim, olha temos de ir, estamos quase a desfazer-nos em cinzas, e temos de ir preparar o benefit para a nova bateria que precisamos para a banda, peace”

, ,