Ativistas solidárias com o Coletivo pela Libertação da Palestina cobriram a fachada da empresa portuguesa Steconfer.

Esta manhã, ativistas solidárias com o Coletivo pela Libertação da Palestina, o Climáximo e a Greve Climática Estudantil de Lisboa cobriram a fachada da empresa portuguesa Steconfer de tinta vermelha e fotografias das atrocidades de Gaza em protesto contra a normalização das relações comerciais entre Portugal e o estado sionista que, ao longo de mais de 75 anos, leva a cabo uma limpeza étnica do povo palestiniano e que, há 45 dias, pratica um genocídio na Faixa de Gaza.

A Steconfer, empresa portuguesa de infraestrutura ferroviária, desenvolve em Jerusalém um projeto de criação de novas estações, linhas e infraestruturas respetivas em terras ocupadas, contribuindo ativamente para a normalização de um estado colonial de Apartheid, como denunciado pelo povo palestiniano e pelas organizações Amnistia Internacional e Human Rights Watch, e para a continua anexação de terras palestinianas e a fragmentação do seu povo, numa clara violação do direito internacional.

Apelamos aos cidadãos portugueses que parem de consentir com o genocídio a decorrer na Palestina e a resistir contra as empresas que deste beneficiam.

Exigimos boicote, desinvestimento e sanções a todas as organizações cúmplices com a ocupação.

Exigimos o fim da ocupação da Palestina.

Não assistiremos paradas ao genocídio

Pela soberania da informação.