[Lousã] Montarias não foram autorizadas, após 2000 emails e mobilização para evitar caça de veados e javalis

Update (Fevereiro 2024):

“VITÓRIA!! CONSEGUIMOS!!! Após a mobilização de centenas de pessoas e o envio de quase 2 mil emails, as entidades competentes confirmaram que NÃO irão ser autorizadas as 2 montarias agendadas para este mês de fevereiro, nos dias 24 e 29 de fevereiro, na zona de caça turística na Serra da Lousã pela empresa Serracaça.

Confirmaram também que a montaria do passado dia 13 de Fevereiro aconteceu sem autorização, pelo que não conseguimos entender como é que esta decorreu quando estiverem presentes no local entidades competentes. Esperamos que a justiça seja feita.

Quando vos disserem que uma pessoa não faz a diferença, lembrem-se disto! Lembrem-se que a vossa voz e a nossa união FUNCIONOU e que, graças a isso, não irão haver os massacres que já estavam agendados: graças a esta união, os animais não serão massacrados!🙏🏻EM UNIÃO SOMOS MAIS FORTES!✊️💚

OBRIGADA!💚🙏🏻”


Animal Save & Care Portugal
@animalsaveandcareportugal
https://imginn.com/p/C3urN5NMRNy/

Um grupo de homens armados, pagando entre 50 a 80 “balas” para participar, percorrerá a Serra assassinando os animais selvagens que encontrar, com patrocínio da Câmara Municipal da Lousã.

As montarias são muito procuradas entre militares do exército e da GNR como se pode ver nas suas páginas de facebook. Os eventos de “montaria” acontecem frequentemente, e dificilmente alguém pode fazer alguma coisa, já que estamos a falar de homens sempre armados, (muitos deles membros de forças policiais repressivas).

O caso mais recente que veio à atenção do público foi o da Herdade da Torre Bela, que merecia só de si várias teses sobre como uma herdade ocupada durante a revolução há 50 anos, se torna no lugar onde numa só tarde se assassinaram 540 animais.

A Serra da Lousã nos últimos tempos tem sido alvo de ações de desmatamento e destruição de habitats por parte de madeireiros da Álvaro Matos Bandeira & Filhos, Lda. (1, 2, 3)

A Animal Save preparou uma carta para enviar por email

⚠️APELO À ACÇÃO!⚠️

Nas últimas semanas, a Serra da Lousã tem estado sob ataque e tem sido notícia pelos piores motivos…

Desta vez, tivemos conhecimento que está marcada uma Montaria para Janeiro de 2024 e, como se isto não fosse mau o suficiente, esta tem o apoio da @cmlousa 😳

Sabemos que as montarias são eventos de caça com uso de cães e que, nelas, os javalis e veados são perseguidos, trucidados pelos cães e mortos a tiro pelos caçadores. Contudo, nem sempre o javali/veado é morto: por vezes este consegue escapar após ser ferido, ficando a sofrer após um episódio de extremo pânico e agonia. Uma montaria nada mais é do que uma demonstração gratuita de sofrimento e morte, para bel-prazer do ser humano que se diverte em perseguir, torturar e matar um outro alguém. Também os cães ficam muitas vezes feridos, ensanguentados ou nalguns casos morrem nestas atividades cruentas.

Nas últimas semanas, a Serra da Lousã tem sido palco de crimes ambientais de cortes rasos por parte de madeireiros, destruindo o habitat destes animais selvagens. Também têm sido encontrados corpos decapitados de veados, uma vez que as suas cabeças são vendidas por milhares de euros enquanto troféus. E, como se não fosse grave o suficiente o ser humano estar a destruir o habitat destes animais, a impedi-los de terem um abrigo, a provocar a escassez do seu alimento e a matá-los para os exporem enquanto troféus, agora irão ser cruelmente perseguidos e mortos por diversão, sob o pretexto de “controlo populacional”. Não há qualquer pretexto ou desculpa para esta chacina!

Herdade da Torre Bela, 540 animais mortos, 2020

A sociedade deve repudiar toda e qualquer tipo de violência contra animais, onde naturalmente se inserem as montarias.
Assim, pedimos a tua ajuda para mostrares o teu repúdio e condenação perante a Câmara Municipal da Lousã, dizendo-lhes o quão lamentável é ver o apoio a este acto hediondo, arcaico e cruel como este.

🐗PRECISAMOS DA TUA VOZ!🦌
Envia o teu e-mail de protesto abrindo o link.

400756281_675415891356524_3734136049739518049_n-1024x1024-3081584-6369845-7269626-9558455-9196277-4878932-5748427-7779567

DESTINATÁRIOS: Executivo da Câmara Municipal da Lousã

CORPO DA MENSAGEM:

Ex.mo Sr. Presidente da Câmara da Lousã,

Tive conhecimento que, no próximo dia 6 de janeiro de 2024, estão a planear uma montaria ao javali e veado, na Serra da Lousã.

Como se este “evento” já não fosse revoltante o suficiente, qual o meu espanto e profunda desilusão quando verifico que o mesmo conta com o apoio da Câmara Municipal da Lousã!

A sociedade deve repudiar toda e qualquer tipo de violência contra animais, onde naturalmente se inserem as montarias. Ver a Câmara Municipal da Lousã a apoiar um evento deste calibre é algo que não só repudio e condeno, mas que também não posso aceitar. Sabemos que as montarias são eventos de caça com uso de cães e que, nelas, os javalis e veados são perseguidos, trucidados pelos cães e mortos a tiro pelos caçadores. Contudo, nem sempre o javali/veado é morto: por vezes este consegue escapar após ser ferido, ficando a sofrer após um episódio de extremo pânico e agonia. Uma montaria nada mais é do que uma demonstração gratuita de sofrimento e morte, para bel-prazer do ser humano que se diverte em perseguir, torturar e matar um outro alguém. Também os cães ficam muitas vezes feridos, ensanguentados ou nalguns casos morrem nestas atividades cruentas. É isto que a Câmara da Lousã apoia?! Uma crueldade desta magnitude?

Alegar “controlo populacional” não pode justificar uma chacina de animais que, cada vez mais, vêem o seu habitat sob ataque: desde os cortes rasos, à falta de abrigo, escassez de comida… Deveríamos proteger estes animais e a Serra da Lousã, não condená-los à morte deste modo abjeto! Sabemos bem qual é o verdadeiro motivo desta Montaria, ou não fossem as 80 ou 50 balas pedidas por inscrição (“balas”? Estará este evento dentro da legalidade?).

Reitero o meu repúdio, desprezo e repulsa por ver um evento destes a acontecer na Serra da Lousã mas, pior do que isso, por ver que o mesmo conta com o apoio da Câmara Municipal da Lousã. É profundamente lamentável a CML apoiar um ato hediondo, arcaico e cruel como este. Apelo ao Sr. Presidente Luís Antunes que repense a sua posição nesta matéria e a pugnar por uma sociedade progressista com princípios éticos baseados na compaixão e respeito por todos os seres.

Com os melhores cumprimentos,

para:
gap@cm-lousa.pt, geral@cm-lousa.pt

https://saveportugal.pt/agir/montaria/

“A Serra da Lousã tem estado sob a mira dos madeireiros, que têm devastado grandes encostas, deixando para trás o cenário que vemos nestas imagens.”
Animal Save Portugal

Click here to display content from YouTube.
Learn more in YouTube’s privacy policy.

Crimes ambientais na Serra da Lousã continuam impunes

“A Silveira Tech contesta a posição assumida pelo ICNF sobre os cortes rasos ilegais no Casal da Silveira, na Serra da Lousã, sublinhando que os processos implementados por aquele Instituto Público para controlar os cortes de árvores não exige qualquer prova para a legitimidade do corte. Isso permite aos madeireiros cortar árvores de proprietários que nunca deram autorização para tal.

É precisamente isso que está a acontecer na Silveira. A empresa Álvaro Matos Bandeira & Filhos, Lda está a abrir estradas e a fazer cortes rasos no Casal da Silveira, na Serra da Lousã. Está a fazê-lo em terrenos particulares e da Câmara da Lousã, sem ter qualquer permissão para tal. Trata-se de um roubo feito às claras a que os proprietários não conseguem pôr termo, mesmo recorrendo à proteção das autoridades. Está a fazê-lo em plena Rede Natura 2000, destruindo todo um ecossistema frágil de um território sujeito a dezenas de anos de erosão e má gestão florestal.” (Comunicado Silvera Tech)

316832118_809599733696076_3114411377679864428_n-1024x699-7086735-6296151-8620578-9426671-2664676-2656843-8972931-8395614

Lê mais sobre o desmatamento na serra da lousã:

O que aconteceu?

Um corte raso de 7 hectares de floresta no coração da Serra da Lousã.
 
A 27 de Setembro de 2023 uma empresa de madeireira começou a cortar terrenos públicos e privados na Silveira sem autorização.

Com as autoridades competentes sem ferramentas para agir atempadamente, apenas uma forte campanha nas redes sociais e na comunicação social conseguiu travar o corte.

Gerou-se um movimento nacional de protecção da Natureza que ultrapassou as fronteiras da Serra da Lousã e culminou numa entrega de uma petição com mais de 18,000 assinaturas que será discutida em plenário da Assembleia da República.

https://www.silveiratech.pt/salvarafloresta

https://silveirabravehearts.notion.site/SERRA-DA-LOUS-A-HORA-DE-AGIR-AGORA-3378e2fae7384678b8f6ac2fad9a0725

https://acrescimo-apif.blogspot.com/2023/10/o-faroeste-e-aqui-porta-de-casa.html

, ,